A Virgem das Angústias de Granada

Como os mistérios de Deus são insondáveis e imperscrutáveis são os seus desígnios! (Cf. Rm 11,33). Desde Sua bondade infinita, faz com que a onipotência suplicante, sua Mãe, Maria Santíssima, venha-nos visitar e demonstre ainda mais seu amor maternal, fazendo-nos companhia. Por exemplo, quando vemos as aparições de Lourdes à Sta. Bernardette Souvirous, ou as de Fátima aos pastorinhos – o beato Francisco, a beata Jacinta e a irmã Lúcia –, são estas aparições em que Ela surge aos olhos de gente humilde, trazendo mensagens de esperança.

Neste breve artigo, desejamos dar a conhecer uma devoção peculiar nascida na Espanha, concretamente na cidade de Granada, a respeito da Virgem das Angústias, padroeira desta linda cidade. Não queremos somente mostrar como se celebra sua festa, mas também comentar, de modo breve, sobre seu aparecimento como imagem para o culto dos fiéis, e de como Nossa Maria Santíssima, desde o Céu, nos faz companhia, até hoje, também sob o título desta imagem de que trataremos.

O dia da festa

No último domingo de setembro de cada ano, sai às ruas a imagem de Nossa Senhora das Angústias, rodeada de uma multidão de pessoas. Toda a cidade interrompe sua rotina para vê-La. É um dos momentos mais esperados pelos granadinos durante o ano, compreendido, inclusive, de pessoas não crentes da religião, ou afastadas dela. Entre a procissão, são incorporadas várias bandas de música, as quais amenizam o cortejo e, com suas composições, fazem lembrar as angústias de Nossa Senhora pelas ofensas cometidas ao Nosso Senhor, durante a Paixão, e pela falta do pedido de perdão, vendo a Jesus finado em seus braços.

Grande oferenda floral

Dias antes, tem-se uma grande oferenda floral, em que os habitantes da cidade querem mostrar seu amor à padroeira, levando flores e formando grandes painéis ante a Basílica que se encontra. Esta tradição vem desde 1982, contando, até mesmo, com a participação de representantes institucionais. A oferenda é multitudinária. Milhares de pessoas formam fileiras de espera em volta da quadra, não lhes importando o aguardo, de modo que possam ir oferecer flores à sua Mãe, representando o amor deles a Ela. Congregações, irmandades, colégios… oferecem de forma oficial flores à Mãe de Deus, tendo seus respectivos nomes mencionados por meio dos alto-falantes.

A irmandade de Nossa Senhora das Angústias

A irmandade foi fundada em 1545, com vinte pessoas, sendo primeiramente uma irmandade de penitência, transformando-se depois em irmandade sacramental e, por fim, após ser fundada a paróquia de Nossa Senhora das Angústias, passou a ser irmandade assistencial, tendo um pequeno hospital com sete camas . Em 1556 já contava com 500 irmãos. Sua saída, para veneração pública nas ruas, ocorria nas quintas e sextas-feiras santas. No séc. XIX foi proclamada padroeira da cidade de Granada pela Santa Sé, e passou a sair do templo durante o mês de setembro, fixando mais tarde no último domingo do mesmo mês.

Ambiente festivo

Em Granada, o mês de setembro é conhecido como o mês da Virgem. Muitos granadinos esperam este dia com grande alegria, e até ânsia. Já quando o ambiente festivo se faz sentir em torno da Basílica, postos de frutos secos, doces e frutas típicas são dispostos aos visitantes. Acerolas, “azofaifos”, caquis, romãs e figos da Índia são as frutas que matam a fome enquanto se passa a tarde; além de marmelo, figos secos e castanhas, pois mesmo sendo demorada a procissão, os devotos de Nossa Senhora das Angústias fazem qualquer sacrifício para poderem ver a sua Senhora e Mãe pelas ruas da cidade. Tudo ocorre num ambiente de festa e, sobretudo, de amor pela padroeira.

Como surgiu a devoção a Nossa Senhora das Angústias

Na conquista de Granada, em 1492, pelos Reis Católicos (título dado pelo Papa Alexandre VI), as tropas vitoriosas entraram na cidade com uma imagem de Nossa Senhora das Angústias, procedente da cidade de Arévalo, do mesmo país, a qual haviam dedicado todo o amor de suas orações e tinham obtido um apreço especial por sua protetora. Entretanto o município ao qual pertencia a imagem fez o pedido para que ela voltasse ao seu lugar de origem, pois a cidade de exórdio apenas a tinha emprestado.

Sua chegada misteriosa              

Devolvida a imagem, foi substituída por um quadro sob o mesmo nome, porém não era a mesma coisa. O fervor por Nossa Senhora das Angústias era muito grande e crescia ainda mais com o tempo.

Nossa Senhora, sempre que nos priva de algo, é porque dará alguma coisa melhor, como neste caso.

Segundo a primeira história, descrita por uma vertente de pessoas, dois cavaleiros, vindos da cidade de Toledo, deparando-se com pessoas que revelavam seu fervor à Nossa Senhora das Angústias, assumiram que também a veneravam, e deixaram de presente uma imagem dEla; e sem mais explicações deixaram a cidade.

Por outro lado, uma tradição popular afirma que ao cair da tarde de certo dia, no séc. XVI, uma senhora ricamente vestida entrou para rezar na capela, acompanhada de dois insignes cavaleiros que pareciam servi-la. O sacristão não viu ambos os cavaleiros saírem. A senhora ficou um longo tempo rezando até que a noite se fez e, então, era preciso fechar a capela. O sacristão acercou-se amavelmente da senhora para pedir que saísse, contudo, para sua surpresa, percebeu que ela tinha se convertido numa belíssima imagem dolorosa, angustiada pelo seu filho morto.

No fim, é claro, o retorno da imagem à cidade é desconhecido, no entanto temos fé de que Deus está por detrás de tudo quanto alguém faz de bom, seja uma boa oração, uma obra de caridade ou constituição de uma imagem. Se foi um escultor quem a fez, foi Deus quem o inspirou. E se foi a Mãe de Deus quem quis quedar lá como imagem, também foi obra de Deus. Peçamos a Nossa Senhora das Angústias que assim como Ela se quis fazer presente nessa cidade pela aparição de sua imagem, também Ela fique em nossos corações mediante a mesma sustentação.

Ela fez algum pedido? Não nos consta, porém sabemos que os fiéis desejavam ter uma representação mais tangível de Nossa Senhora, e esse desejo Ela o atendeu de forma maravilhosa.

Nosso Senhor Jesus Cristo morreu na Cruz, ressuscitando ao terceiro dia, e a renovação do mesmo e único sacrifício da cruz ocorre, incruentamente, nas Missas que são celebradas. Nossa Senhora das Angústias é a advocação que nos invita a acompanhar Nosso Senhor descido da Cruz, nos braços de Sua angustiosa Mãe, e, além disso, a pedir perdão pelos pecadores e por nós mesmos, pois o maior sofrimento não foi relativo aos golpes e às ofensas que Jesus recebeu, mas foi ao fato de não reconhecerem que haviam pecado.

Confiemos nEla para chegar até Ela, e não nos esqueçamos de que Ela, impreterivelmente, reza e intercede por nós.

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *